< Voltar


Resultado do I Concurso Fotográfico - AFNATURA de Fotografia de Natureza

Resultado Final


Grande prêmio – LUIZ CLÁUDIO MARIGO
Premiado: Daniel De Granville Manço ____051_daniel_de_granville_mano_primeiro_sub__01_3036_ariranha_pteronura_sub_rio_olho_dagua_20150302_0139_1200

Relato do autor: "Em janeiro de 2011 começaram os primeiros relatos sobre a aparição de um macho jovem e bastante curioso de ariranha no Rio Olho d’Água, um riacho cristalino da região de Bonito (MS) situado em uma Reserva Particular do Patrimônio Natural. Era uma oportunidade fotográfica única, já que estes animais costumam viver em rios com água barrenta e escura. Na época realizei minhas primeiras expedições à área, permanecendo sozinho e praticamente estático dentro d’água por pelo menos 8 horas diárias. Foi quando consegui as primeiras imagens e dias depois a ariranha deu uma sumida. Passado um longo período sem notícias de sua aparição, há alguns meses os relatos voltaram e decidi fazer mais umas tentativas, sendo a foto vencedora deste Concurso o meu registro favorito daquele dia. Cabe ressaltar que trata-se de uma fêmea, ou seja, não é o mesmo indivíduo que fotografei quatro anos antes."


Categoria FAUNA


1º Lugar(premiado): Guilherme Frainer ___011_guilherme_frainer__fauna__primeiroa_colocado_1564_1200

Relato do autor: "A noivinha-de-Trindade, Gygis alba, é uma ave que habita ilhas oceânicas do Oceano Atlântico. Durante uma expedição científica para a Ilha da Trindade - BR, tive a oportunidade de registrar esse indivíduo que, literalmente, pousou para a foto. Durante as caminhadas nas diversas trilhas da ilha, é possível encontrar esses animais sobrevoando nossas cabeças com intuito de afastar-nos de seus ninhos que estão sobre as rochas. O dia já estava acabando e já era hora de voltar para a estação científica quando essa noivinha resolveu me presentear com sua presença. Eu estava explorando o ambiente com uma lente macro bem no momento, só tive tempo de aumentar a velocidade de exposição para tentar congelar aquele momento. Essa foto não retrata, para mim, apenas a beleza da espécie em questão mas a pureza da natureza frente a uma situação assustadora - no caso, minha presença."



 Menções Honrosas

Nome: Reynaldo Leite Martins Junior

___012__menso__reynaldo_leite_martins_junior_3611__copy_1200

Relato do autor: "O local é o Rio Pixaim, Pantanal de Mato Grosso, município de Poconé, na região da Rod. Transpantaneira. Estava em um pequeno barco com motor de popa, à procura de uma onça pintada que estava aparecendo por lá com frequência. Vimos então uma Lontra com dois filhotes na margem do rio. Ela colocou um deles na água e virou-se para fazer o mesmo com o segundo, quando o primeiro saiu nadando em direção ao meio do rio. Um jacaré viu a oportunidade, o abocanhou e mergulhou, sem que a “mamãe lontra" tivesse percebido. Ela então procurou-o por um bom tempo, inclusive rodeando nosso barco na esperança de encontrá-lo conosco. Atacou dois jacarés na margem do rio, mordendo suas caudas. Esperamos o jacaré aparecer novamente na superfície para engolir o filhote. Ele se mostrou parcialmente por várias vezes e mergulhou novamente. Só depois de uns 40 minutos emergiu em uma condição que proporcionasse fotos adequadas. Entre o ataque e o momento em que o predador engoliu sua presa, passou-se quase uma hora. Embora tenha certa experiência em expedições fotográficas ao Pantanal, esse tipo de cena sempre me choca, essa em especial, em função do desespero da mãe a procura do seu filhote desaparecido. De qualquer forma, é a natureza selvagem em ação: interferir não é uma opção, e jacarés também precisam se alimentar para sobreviver.”


Nome: Eduardo de Oliveira Bastos

___012_menso__eduardo_de_oliveira_bastos__3918_morcego_bebe_gua__florianpolis_sc_eduardo_bastos_1200

Relato do autor: "Morcego da espécie Glossophaga soricina. Da ideia até a fotografia foram cerca de 4 meses percorridos. Este período foi necessário para a observação dos padrões de voo dos morcegos, locais visitados e escolha da técnica que seria usada para registrar o momento. Foram longas noites de tentativas e observações para chegar neste resultado."



Nome: Príamo Albuquerque Melo Junior

___012_pramo_albuquerque_melo_junior__3304_2_1200

Relato do autor: "Era dezembro de 2010, de tarde, estava de férias na casa de mãe em Aracaju/SE, quando decidi revisitar a base do Projeto Tamar em Pirambu; no ano anterior, a visita havia sido incrível. Dei sorte que haveria liberação de tartaruguinhas aquela tarde, cujas condições climáticas estavam excelentes, belas nuvens no céu, criando reflexos maravilhosos na areia molhada da praia. Assim que o grupo de tartaruguinhas foi liberado, rastejei atrás delas e quis mostrar seu primeiro contato com a água do mar e enfatizar a imensidão de mundo à sua frente. Isolar uma delas, como foi feito na fotografia apresentada aqui, ajudou a dar uma ideia da fantástica jornada que estaria por vir."


Nome: Giancarlo Zorzin

___012_giancarlo_zorzin_4069_1200

Relato do autor: "Fotografia tirada no interior do Parque Nacional da Serra da Canastra, São Roque de Minas/MG, 29 de outubro de 2015. Após dias de chuva, em uma tarde de sol, acompanhei esse macho de lobo-guará (Chrysocyon brachyurus) se alimentado de frutos de Parinari obtusifolia, nos campos limpos da parte alta da serra, ao longo da estrada que corta o parque."





Categoria O HOMEM E A NATUREZA


1º Lugar(premiado): Raphael Genuíno de Araújo

___021_primeiro_colocado_homem_e_naturezaraphael_genuno_de_arajo__332_1200

Relato do Autor:"Tenho o costume de observar o bairro e a cidade onde moro. Uso a bicicleta como meio de transporte e acho que isso me ajuda na percepção do espaço onde vivo e a transformação da paisagem urbana. Sempre que é possível tento fazer percursos diferentes e desvios por lugares pouco rotineiros. Há alguns anos registro casas abandonadas e suas estruturas sendo derrubadas. Fotografo a transformação da cidade que já foi um lugar essencialmente formado por casas e terrenos baldios e que hoje são cada vez mais raros e dão lugar a grandes empreendimentos imobiliários.  Essa foto foi tirada em um desses dias, em que andava de bicicleta, a casa já havia sido demolida, mas me chamou muita à atenção a pintura naturalista dos seus muros internos que ainda estavam de pé. Passava ali diariamente, mas só foi possível observar a casa e o grande terreno que ela ocupava quando a construtora responsável pela obra resolveu trocar os tapumes que a cercavam.  Ao adentrar no terreno, tinha a intenção de fotografar somente os muros pintados de paisagem natural, o que para mim já gerava um contraste interessante entre natural, urbano, ação do homem. Fiquei ali alguns minutos, até aparecer a primeira coruja, que caprichosamente parecia posar para mim. Fiz alguns cliques e logo percebi que se tratava de uma família que morava num buraco em baixo do resto de chão que sobrou da casa.  Na verdade, essa primeira coruja estava agindo como uma sentinela, protegendo sua família, chamando minha atenção. Quando fui me aproximando do buraco saíram mais corujas e pude observar três grandes e mais dois filhotes.  Respeitei o aviso dado por elas, caras de poucos amigos, voos rasantes e barulhos, me afastei. Observei por alguns minutos aquela família de corujas, ainda deu tempo de ver um grupo de anus-pretos, fui embora, com inúmeros pensamentos, logo aquelas corujas seriam desalojadas e fica um sentimento de impotência em meio ao ciclo de “progresso” do homem. Em uma observação desatenta a foto da coruja se confunde em meio à pintura da parede uma dicotomia visual entre o natural e o artificial."
 

Menções Honrosas

Nome: Leonardo Merçon

___022__leonardo_meron__homem_natur_meno___02_593__leo351620x30cm_1200

Relato do autor:  "No complexo florestal em que a Reserva Biológica de Sooretama está inserida, os animais de grande porte possuem uma população reduzida, logo, quando um deles é atropelado, aumenta-se a possibilidade de que a espécie seja extinta, naquela região. Durante a noite, os faróis dos carros cegam temporariamente os animais que tentam atravessar a BR-101, deixando-os atordoados e vulneráveis a atropelamentos. Apesar de ser um animal ágil, esse jovem macho de onça-parda (Puma concolor), também conhecida como sussuarana, infelizmente não escapou. No Brasil, o Centro Brasileiro de Estudos em Ecologia de Estradas estima que cerca de 475 milhões de animais silvestres sejam atropelados por ano. No bloco florestal em que a Reserva Biológica de Sooretama está inserida, são cerca de 50 animais vertebrados (desde pequenos anfíbios e répteis até animais de grande porte como onças e antas), atropelados todos os dias, segundo pesquisa da Universidade Federal do Espírito Santo."



Nome: Enrico Marcovaldi

___022_enrico_marcovaldi__homem_natur_meno___652_1200

Relato do autor: "Foto produzida na Foz do Rio Tutuamunha, em  Porto de Pedras no estado de Alagoas. Fotografia realizado durante os trabalhos para o Projeto Peixe Boi Marinho. Animal dócil , carismático  e fotogênico."
 
 

Nome: Ed Andrade Júnior

___022_ed_andrade_jnior_homem_natur_meno___1408_olaria_vila_vintm__cant__roraima_1200

Relato do autor:"Olaria - Vila Vintém, Cantá-RR. A Ponte dos Macuxis é o limite entre os municípios de Boa Vista e Cantá, e logo após a ponte existe a muitos anos uma olaria de onde várias famílias, como forma de sustento, retiram o barro pra produção de telhas e tijolos artesanais. Grande parte de Boa Vista foi erguida a partir dessa produção. Sempre tive a curiosidade em poder ver do alto como estaria a situação daquela área após tantos anos de retirada de material da beira do rio. Em uma oportunidade fiz um sobrevoo pelas cidades do entorno de Boa Vista, pedi ao piloto para passar por cima da olaria e se possível que inclinasse o avião, de forma que conseguisse um ângulo parecido com fotos de satélite. Eu estava bem amarrado aos bancos da aeronave e com segurança ele fez a manobra. Fiz apenas dois cliques desse momento. Essa foto é uma delas e mostra o que o uso desordenado e por tanto tempo pode causar a natureza.”


Nome: Iuri Portillo

___022__iuri_portillo_homem_natur_meno___1939_pico_dos_marins_1200

Relato do autor: "Fotografia tirada em julho de 2015 no Pico dos Marins, próximo à Piquete-SP. A foto foi tirada com uma Cânon T3 e uma lente 18-55mm , conseguir a imagem não foi muito fácil ,a altitude de 2400m e a baixa temperatura faziam com que água se condensasse na lente, acertar o foco no infinito támbem foi um desafio, uma vez que a lente não vem com a marcação. Após as nuvens darem uma trégua e o pessoal diminuir a iluminação nas barracas, aproveitei o momento, o centro da galáxia estava em cima da minha cabeça , para conseguir enquadra-lo com as barracas precisava de uma panorâmica , para isso tirei uma sequência de 5 fotos com a ajuda de um tripé rudimentar, ajustei a máquina com 25 segundos de exposição , abertura /3.5 e ISO 1600. Apesar dos perrengues fotografar é sempre uma ótima experiência, afinal, qual seria a graça se tudo desse certo!"


Categoria PAISAGEM


1º Lugar(premiado): Ed Andrade Júnior

___031_ed_andrade_jnior_paisagem_primeiro_01__1400_flor_de_lavrado__boa_vista__roraima_1200

Relato do autor: "Flor de Lavrado, Boa Vista-RR. Roraima tem grande partes de suas terras planas, com largos campos de mata de savana, ou "lavrados" como chamam os roraimenses. Em certos períodos do ano as chuvas criam grandes lagos na vegetação. Depois de uma festa de fim de ano em uma fazenda, um amigo piloto me convidou para voltar de avião pra Boa Vista-RR. Lembro dele falar pra limpar bem os vidros do avião pra poder fotografar os lagos do lavrado. Alguns minutos depois da decolagem ele me pede pra olhar pra baixo. A visão foi incrível. O sol acabava de nascer e fazia projetar longas sombras nos buritis. Na água um lindo reflexo de céu azul. Em volta uma bela mistura de verdes e amarelos criados pelo lavrado. Primeiro contemplei e depois fiz essa única foto. Muito obrigado comandante Doné."


Menções Honrosas


Nome: Fabiano Rosas Rocha

___032_fabiano_rosas_rocha__1840_canion_do_espraiado_1200

Relato do autor:"A foto é do Cânion do Espraiado, em Urubici, Santa Catarina. Após 6 horas de caminhada, partindo do Rio Canoas, cheguei na ponta extrema do cânion. Era um dia de inverno, com ventos fortes. A vegetação, que freneticamente balançava, fez parte do universo sensorial busquei captar desse local tão especial na serra catarinense."


Nome: Marcio Cabral

___032_marcio_cabral__paisagens___4099_1200 Relato do autor: "Por do sol nos lençóis maranhenses.”



Nome: Marcio Cabral

___032_marcio_cabral_paisagem_meno__04_4097_2_1200

Relato do autor: "Cerrado Galáctico. Panorama noturno do capim favorito no cerrado de altitude e via láctea ao fundo - Chapada dos Veadeiros"



Nome: Príamo Albuquerque Melo Junior

___032__pramo_albuquerque_melo_junior__paisagem_meno_05_3302_1200

Relato do autor:"Era apenas meu segundo dia em Fernando de Noronha, estava visitando a ilha paradisíaca pela primeira vez e realizando um sonho antigo. Depois de fotografar o pôr-do-sol na Praia de Cacimba do Padre, eu e amigos fotógrafos aguardamos o anoitecer para capturar estrelas com a paisagem envolvendo o Morro Dois Irmãos. As poucas nuvens no céu, inicialmente indesejadas, terminaram dando um toque adicional às fotografias que obtemos. Locações como essa, afastadas das grandes cidades, são excelentes para a fotografia de estrelas.”



Categoria PEQUENO MUNDO


1ºLugar(premiado): Jefferson Allan Geraldo
___041_jefferson_allan_geraldo_macro_primeiro__2323_marimbondo_1200

 Relato do autor: "Eu moro em chácara e vejo milhares de insetos o dia todo, encontrei este marimbondo vermelho caído no solo e o peguei para fazer o empilhamento de foco em estúdio. Tive dificuldade com a luz, deu muito trabalho para acertar a luz perfeita, mas consegui e gostei do resultado final.”


Menções Honrosas

Nome: Jefferson Allan Geraldo

___042_jefferson_allan_geraldo_macro_meno__2325_305_original_1200

Relato do autor:"Encontrei essa cigarrinha aqui na chácara e fiz o empilhamento de foco em campo no pé de acerola. Sendo que o grau de dificuldade é bem maior em função da mesma estar viva e não parar de se mexer, com isso, tive que tirar mais fotos para poder fazer o empilhamento e obter um melhor resultado.”


Nome: Giancarlo Zorzin ___042_giancarlo_zorzin_3734_1200

Relato do autor:"Essa fotografia foi tira ao nível do solo, utilizando o citado tripé. Tirada em 23 de junho de 2013, em um remanescente florestal de Pontes e Lacerda/MT. Nessa época inúmeras espécies de fungos surgem no solo da floresta amazônica após as chuvas. Deitado no chão me aproximei ao máximo dos fungos, e o uso de uma super grande angular valorizou a perspectiva, permitindo ainda incluir o sub-bosque e demais estratos da floresta."


Nome: Hélio Soares Júnior

___042_hlio_soares_jnior__macro_meno__2609_1200 

Relato do autor: "Essa macrofotografia foi registrada num bosque municipal situado na cidade de Marília-SP, no dia anterior que realizei a fotografia havia chovido muito, propiciando assim o crescimento desse tipo de fungo amarelo, assunto que me chamou a atenção. Trabalhando com a luz e contrastando com fundo escuro, quis que o fungo lembrasse chamas saindo do chão. A  formiga que passou pertence ao gênero Pheidole, é um dos grupos animais mais abundantes no planeta terra, já foram descritas mais de mil espécies.”



Nome: Emir Hermes Bemerguy Filho

___042_emir_hermes_bemerguy_filho__macro_menoimg_6235__30_x_20_1200

Relato do autor: "A fotografia foi feita no dia 06 de dezembro de 2012 no Parque Estadual do Utinga, em Belém (PA), numa manhã de sol forte. Estava com minha esposa e, quando vi a lagarta, minha primeira impressão foi de ser uma cobra. Só ao chegar mais perto notei o criativo disfarce.”



Categoria SUB AQUATICA


1º Lugar(premiado): Daniel De Granville Manço


Relato do autor:" Pequeno texto com informações relevantes sobre as condições da fotografia, curiosidades ou dificuldades que você considerar relevante.
Em janeiro de 2011 começaram os primeiros relatos sobre a aparição de um macho jovem e bastante curioso de ariranha no Rio Olho d’Água, um riacho cristalino da região de Bonito (MS) situado em uma Reserva Particular do Patrimônio Natural. Era uma oportunidade fotográfica única, já que estes animais costumam viver em rios com água barrenta e escura. Na época realizei minhas primeiras expedições à área, permanecendo sozinho e praticamente estático dentro d’água por pelo menos 8 horas diárias. Foi quando consegui as primeiras imagens e dias depois a ariranha deu uma sumida. Passado um longo período sem notícias de sua aparição, há alguns meses os relatos voltaram e decidi fazer mais umas tentativas, sendo a foto vencedora deste Concurso o meu registro favorito daquele dia. Cabe ressaltar que trata-se de uma fêmea, ou seja, não é o mesmo indivíduo que fotografei quatro anos antes."


Menções Honrosas

Nome: Enrico Marcovaldi

___052_enrico_marcovaldi__sub_meno__647_1200

Relato do autor: "Dupla de Baleias Jubarte(Megaptera novaeangliae), fotografada no limite do Banco dos Abrolhos . Foto está, clicada no retorno da expedição Trindade, realizada pelo Instituto Baleia Jubarte em 2010.Fotografia de Baleias submarinas , tem um grau de dificuldade muito grande, as condições de visibilidade e comportamento tem que ser as ideais. No caso tive este privilégio, agua cristalinas de mais de 40 metros de visibilidades e as Baleias tranquilas. Apesar de dóceis , são animais de aproximadamente  15 metros com a 40 toneladas e completamente selvagens. Tenho muita experiência no assunto , mais sempre a Adrenalina é muito grande!"
 

Nome: Daniel De GranvilleManço

___052_daniel_de_granvillemano_3037_peixes_sub_nascente_aquario_natural_byo_1200

Relato do autor:"A região de Bonito (MS) é famosa por suas nascentes de água cristalina ricas em vida, parte das quais é aberta a atividades turísticas com rígido controle ambiental. Como os rios são rasos, os peixes são colaborativos e o cenário ajuda bastante, não é difícil obter boas fotos subaquáticas durante os passeios. Então, sempre busco olhares que fujam do óbvio, como nesta cena onde procurei mostrar este universo sob o ponto de vista dos peixes. Neste local - a nascente do Rio Baía Bonita - não é permitido mergulhar ou tocar no fundo do rio, então tive que encontrar uma solução criativa para produzir a fotografia sem desrespeitar as regras ambientais. Coloquei dois lastros de mergulho na bolsa-estanque da câmera, acionei o modo de disparo com temporizador, soltei a câmera sobre uma rocha com a objetiva apontando para cima e me afastei, permitindo aos peixes se aproximarem antes do disparo."


Nome: Eduardo de Oliveira Bastos

___052_eduardo_de_oliveira_bastos_sub_meno__3919_nodipecten_nodosus_na_ilha_do_arvoredo__florianpolis_sc_eduardo_bastos_1200

Relato do autor: "Vieira e sua espécies é Nodipecten nodosus. Elas são comestíveis e sua concha deu origem ao logo da Shell.”


Nome: Marcio Cabral

___052_marcio_cabral__sub_meno__4104_caveexplorer_1200 

Relato do autor:"Abismo Anhumas, Bonito, Brasil. Feita uma profundidade de 18 metros, para chegar ao lago necessita descer de rappel 72 metros
Apenas alguns dias do ano o sol incide sobre o lago formando este raio."

 

Maiores detalhes na edição de janeiro/2016 da revista Fotografe Melhor


Fotografia Charles Young Fotografia Charles Young Fotografia Luis Claudio Marigo Fotografia Ricardo Siqueira Gustavo Pedro Fotografia Emídio Bastos Fotografia Adriano Gambarini Fotografia Denise Greco Fotografia Victor Andrade Fotografia Luiz Carlos Ribenboim Fotografia Marcos Amend Fotografia Ricardo Siqueira Fotografia Silvestre Silva Fotografia Fábio Colombini Fotografia Fábio Colombini Fotografia Denise Greco Fotografia Haroldo Palo Jr